Sweet dutch Brazil ou Doce Brasil holandês?

10:02


Qual a diferença entre Van der Ley ou Vanderlei?
"O sobrenome, hoje, não é dos ricos, mas carrega muita honra porque é holandês."
O documentário Doce Brasil holandês aproxima uma "holandesa verdadeira", que atualmente mora na Alemanha, e uma "holandesa falsa" (ou descendente de holandês), que é historiadora e pernambucana. Qual a escrita considerada falsa e qual a verdadeira, ou a certa e a errada? Já no folder de divulgação do vídeo, há um retrato fazendo uma comparação, as obras antigas de Albert Eckhout são "re-pintadas", e agora aparecem na versão cinematográfica,  com personagens que fazem parte da mesma cidade Maurícia de antigamente.
O filme  usa como contexto a origem do sobrenome no  Brasil e o porquê das variações do mesmo para desenvolver, reportar mitos e colocar muitos questionamentos sobre o período holandês no Brasil.
Como eu já falei um pouco no post sobre a Casa de Maurício de Nassau (inclusive é um lugar que vale a pena visitar), os holandeses invadiram o Brasil, que era colônia de Portugal, em 1630, e aqui ficaram por 24 anos. Durante esse período, o Brasil holandês ficou sob o governo de Nassau durante 7 anos, 1637 a 1644. Ele faz a cidade Maurícia prosperar,  não só investindo e construindo na cidade, mas mostra-a para o mundo
 Mas, a Cia. das Índias Ocidentais estava insatisfeita com os gastos que o Conde estava tendo com todo o acometimento com a região - vale lembrar que ele trouxe escritores, pintores, arquitetos, cartógrafos, paisagistas, etc na sua "comitiva" -, e decidiram tirar o Nassau do poder. O mesmo retorna à Europa, voltando ao serviço militar.
 O historiador Daniel Breda, especialista no assunto, ressalta o que ainda se houve nas ruas do Recife:
"Nassau foi o melhor prefeito que Recife já teve"
A pergunta que fica é, porque esse sentimento de gostar tanto de um invasor? Seria isso verdade se os holandeses tivessem aqui ficado? Como seria uma parte do Brasil falando uma língua tão estranha?


Recife

Amsterdam
As semelhanças estruturais do Recife com a Holanda são evidentes até hoje. Apesar da posterior ocupação portuguesa ter destruído muita coisa, ainda restam - mal conservados - casarões, principalmente no Centro Antigo do Recife, que se assemelham as típicas casas holandesas. Os rastros e a lembrança desse Doce período holandês ficaram, e a luta para não serem esquecidos é árdua. Não adianta o povo gostar e lembrar desse período com bons olhos, mas esquecer as únicas lembranças concretas, e deixá-las serem destruídas por ação do vandalismos e o tempo.

"Minha vida é andar por esse país, para ver se um dia descanso feliz guardando as recordações..."

Olinda

O filme surpreendeu não só pela qualidade do conteúdo, mas pela bela cenografia e trilha sonora, fazendo com que os seus 52 minutos deixassem um gostinho doce da cana de açúcar de quero mais que poucos documentários fazem-nos sentir. As belezas do estado de Pernambuco são  bem retratadas no filme, e a qualidade da imagem não deixa a desejar: dá para ver bem desde as cores dos caboclos de lança, até a última ruga dos historiadores (que eles me perdoem pelo comentário...ahahah), e usaram músicas de artistas da terra, como Vida de viajante, de Luiz Gonzaga.
Casa cheia - de brasileiros e estrangeiros-, um coquetel bem servido e um debate entre alguns historiadores e produtores do filme marcou a estréia mundial do documentário, no último dia 17, em Amsterdam. Mas, antes da estreia na Holanda, o mesmo foi exibido em algumas cidades do Brasil, como Recife, Rio de Janeiro, São Paulo, etc.
Aqui você pode ver uma reportagem sobre a estréia do documentário no Recife. A imagem  não é das melhores, mas dá para ver como o filme teve prestígio na "cidade Maurícia".

"E por aqui passaram os holandeses, deixando umas mulheres prenhas desses Vanderleis que restam."

Se quiser saber mais sobre o vídeo ou sobre os próximos locais em que será exibido, acesse o site da produtora  e confira uma área especial dedicada ao documentário. É um filme que vale a pena e deve ser assistido por todos os brasileiros para conhecerem um pouco mais de sua história, pois o documentário estiga muitas perguntas, estudo, e apreciação da sua beleza. Quer ver um trailer? Clique aqui. Eu já estou aguardando o DVD para comprar!


No fim a única certeza que tenho depois de tantas perguntas e afirmações históricas é que eu discordo do historiador e afirmo: "nem todo Cavalcanti é ladrão, e nem todo Vanderlei é holandês."
Assista o trailler do filme:
DOCE BRASIL HOLANDÊS - Divulgação from M. Schmiedt on Vimeo.

Ps. As fotos e vídeos foram tirados do site da produtora. Toda a opnião aqui expressa é a opnião do Entretulipas, podendo as pessoas concordarem ou não.

Você também irá gostar

9 comentários

  1. Gostei muito do post e das suas observações! Certas regiões de Recife tem realmente muito a cara das cidades holandesas, pelo estilo da construção. Lembro que, quando eu morava aí, estudava história do Brasil, e foi divertido ver como muda a forma de dar aula quando se falava do Brasil Holandês: ainda há muito respeito por eles, porque realmente foi uma das melhores administrações que tivemos.

    Beijos e parabéns pelo post, mais uma vez,
    Cla

    ResponderExcluir
  2. Legal saber que você morou aqui!
    Os Pernambucanos tem sim saudades do período holandês, isso é um fato, e o documentário aborda isso. Os historiadores questionam: porque ter saudades de um invasor?
    Do mesmo jeito que o Brasil é o que é por causa das raízes portuguesas, poderia ser tmb do mesmo jeito se os holandeses estivessem aqui ficado. Ou não, poderia ser bem melhor (e eu acredito nessa teoria).
    Não sou historiadora, mas gosto e leio muito sobre esse período (penso que meu TCC ou tese de mestrado eu venha a escvever sobre o assunto) e adoro as discordâncias que existem sobre esse período.
    História é sempre assim, nunca se sabe ao certo o que aconteceu, e muito menos o que poderia ter acontecido se eles tivessem ficado.

    Obrigada pela visita. Fico feliz por ter gostado do post. :)

    ResponderExcluir
  3. Jaqueline Rubino Garciaquinta-feira, novembro 11, 2010

    Muito legal esse post, um dos meus prediletos! Ainda visito o Fort Oranje em Itamaraca!!!

    ResponderExcluir
  4. :)
    O forte Oranje é legal, Jaqueline. Ir lá é como mergulhar na história!
    Os fortes Do Brum e Das 5 pontas, em Recife, também são mto interessantes e valem a visita. Você os conhece?
    Obrigada pelo comentário e visita! :)

    ResponderExcluir
  5. Ola, TOdos !!
    muito interessante o video , e aqui em Holambra tivemos oportunidade de ve no Clube Faz. Ribeirao.
    sucesso e a comunidade gostou, e as escolas do municipio tambem foram ....

    Agencia Garden Turismo
    Holambra
    Passeio Turistico
    19-8199-0072
    Daiana Tamata

    ResponderExcluir
  6. Oi Daiana,
    Muito obrigada pela sua visita! Que bom que todos gostaram do vídeo.
    Eu achei super interessante! :)

    Volte sempre!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Assisti a este documentário na GNT, adorei, excelente!!!

    ResponderExcluir

Os + lidos

PUBLICIDADE

Publicidade